Todo mundo sabe que a carreira de jogador de futebol não é para sempre. No momento do ápice da caminhada futebolística, o atleta deve estar com todo seu potencial em dia para entregar o melhor resultado e garantir a fama e dinheiro pelo maior tempo possível.

Mas, e depois, o que acontece? Uma carreira de jogador não passa muito dos 40 anos. O que eles fazem com a aposentadoria do campos? Empresários, músicos, comentaristas e até políticos: estes ex-jogadores seguiram caminhos distintos e estas são suas carreiras atualmente.

1. Júnior – comentarista esportivo
O apelido no mundo do futebol é Júnior. O nome dele é Leovegildo Lins Gama Júnior, paraibano, hoje com 67 anos. Outras alcunhas dentro de campo são Maestro Júnior ou Júnior Capacete. O maior sucesso da sua carreira foi ter jogado no Flamengo, onde coleciona o título de jogador que mais vestiu a camisa do time: 865 partidas ao todos.

Ele foi uns dos destaques da seleção brasileira em 1982 e 1986. Aos 36 anos ele pendurou as chuteiras, após levar um novo título brasileiro pelo Fla.  O ex-jogador de futebol, que também é ex-treinador, hoje atua como comentarista esportivo na TV Globo.

2. Jairzinho – empresário de jogadores
Jair Ventura Filho, o Jairzinho, iniciou no futebol no final dos anos 50, surgindo no profissional em 1960. Ele atuou como ponta-de-lança no Estrela Solitária, time de futebol que sequer existe mais nos dias atuais. Mas foi na Copa do Mundo de 70 que ele brilhou; Jairzinho foi fundamental na vitória do tri.

Ele marcou gols em todos os jogos da seleção, se consagrando até os dias de hoje como “Furacão” na Copa do Mundo de 70 no México. Ele foi responsável por descobrir Ronaldo para o futebol e colocá-lo no Cruzeiro Esporte Clube. Atualmente ele trabalha como empresário de jogadores e vive no Rio de Janeiro.

3. Tostão – médico e comentarista esportivo
Como meia ou centroavante, Tostão foi um dos maiores nomes do futebol brasileiro na década de 60 e começo dos anos 70. Ele é considerado  o maior talento que já vestiu a camisa do Cruzeiro Esporte Clube, bem como o maior jogador mineiro depois de Pelé. Infelizmente, sua carreira acabou aos 27 anos, após um problema no olho esquerdo. quando foi atingido por um chute que acabou por comprometer sua retina.

Na impossibilidade de jogar futebol, ele decidiu estudar medicina, tendo trabalhado como médico por anos. Após isto, ele se consagrou como cronista, colunista, escritor e mais recentemente como comentarista esportivo, elogiado por sua visão de jogo brilhante.

4. Roque Júnior – comentarista esportivo
Tido como ídolo do Palmeiras, o ex-zagueiro Roque Júnior já atuou em times brasileiros bem como internacionais. Sua passagem de maior sucesso no Brasil foi no Palmeiras, começando em 1995. Após o título da Copa Libertadores, Roque conseguiu uma posição no Verdão, e em 2000, foi vendido para o italiano Milan.

Além do Milan, ele também jogou no italiano Siena,  no britânico Leeds United e no alemão Bayer Leverkusen. Vale lembrar que ele foi titular da Seleção Brasileira na Copa do Mundo de 2002, com o penta. Nos últimos anos, Roque atuou como técnico e gestor de futebol, com passagens por Ituano, XV de Piracicaba, Paraná Clube e Ferroviária, sem sucesso. No final de 2021, foi contratado pela Globo como comentarista esportivo.

5. Luisão – embaixador de clube
Ele iniciou a carreira de futebolista profissional em 1999 no Juventus (SP), mas foi em 2000, pelo Cruzeiro, que ele ficou conhecido em terras brasileiras, se consagrando como um dos maiores zagueiros da história do clube, onde conquistou títulos memoráveis como o Campeonato Brasileiro de 2003 e as Copas do Brasil de 2000 e 2003.

Em 2003, ele se mudou para a Europa e assinou com o time português Benfica, que mudou toda sua vida.  Ele terminou a sua primeira temporada com a conquista da Taça de Portugal, virando lenda e se torna reverenciado pelo time. A paixão é tão mútua que hoje ele atua como embaixador do Benfica, cotando no futuro se tornar um dos dirigentes do português.

6. Gilberto Silva – empresário
Ele começou sua carreira em 1997, no América Mineiro e sua boa atuação o deu a chance de um contrato com o Atlético Mineiro, em 2000. Ele também ganhou fama como parte da seleção que conquistou a Copa do Mundo de 2002, atuando em todas as sete partidas disputadas pelo Brasil.

No mesmo ano, ele fechou com o clube inglês Arsenal, onde ganhou o apelido de “Muralha Invisível”. Ele fechou sua carreira como jogador em 2013, e três anos depois, voltou para o mundo da bola como diretor do Panathinaikos, da Grécia. Gilberto Silva tem vários negócios em Belo Horizonte e em sua cidade natal, entre eles o Hotel Samba Lagoa da Prata By Gilberto Silva.

7. Zico – diretor de futebol
Arthur Antunes Coimbra, o Zico, é um ex-futebolista que é, até os dias atuais, considerado como um dos melhores jogadores da história, especialmente pela torcida do Flamengo, onde conquistou a Taça Libertadores da América e da Copa Intercontinental (o mundial de clubes da época) os títulos do Campeonato Brasileiro de 1980, 1982, e 1983.

Ele também se consagrou pela Seleção Brasileira nas Copas do Mundo de 1978, 1982 e 1986. Desde 2017 comanda o “Canal Zico 10”, onde o tece comentários futebolísticos. Em 2018, ele foi anunciado como novo diretor de futebol do Kashima Antlers.

8. Pelé – atleta do século
Consagrado por muitos como o maior futebolista de todos os tempos, Edson Arantes do Nascimento, o Pelé, vive como o atleta do século, segundo a Federação Internacional de História e Estatísticas do Futebol (IFFHS), FIFA e Comitê Olímpico Internacional (COI).

Pelé começou a jogar pelo Santos, aos 15 anos, e pela Seleção Brasileira de Futebol aos 16. Durante sua carreira na seleção, ele ganhou três Copas do Mundo da FIFA: 1958, 1962 e 1970, sendo o único jogador a fazer isto. Ele também é o maior goleador da história da seleção brasileira, com 77 gols em 92 jogos. Desnecessário falar do maior de todos os tempos, não é? Aos 80 anos, Pelé segue com o mesmo prestígio de sempre.

9. Elías Figueroa
Saindo das estrelas brasileiras, vamos falar do chileno que se consagrou em território nacional. Considerado o maior jogador chileno de todos os tempos de acordo com o Instituto Chileno de História e Estatística do Futebol, Elías Figueroa também foi eleito o melhor zagueiro da Copa de 1974.

No Brasil, ele alcançou status de ídolo após ajudar o Internacional de Porto Alegre na conquista do primeiro título do Campeonato Brasileiro. Pelo Internacional, em 1975.  Após encerrar a carreira de jogador foi técnico e dirigente do Internacional de Porto Alegre.

10. Edmílson – empresário de jogador
José Edmilson Gomes de Moraes, o Edmilson, é um ex-jogador de futebol que atuava como volante de origem, bem como zagueiro. Foi assim que Edmilson se destacou pelos clubes por onde passou e também na Seleção Brasileira. Defendendo a amarelinha, levou a Copa do Mundo da Coréia e Japão em 2002.

Em 2006, ele se lesionou enquanto treinava com a equipe para a disputa da Copa do Mundo da Alemanha, sendo cortado antes da estreia. E no início de 2012, anunciou sua aposentadoria e fixou residência na cidade de Santana do Parnaíba, na região da grande São Paulo. Atualmente, ele trabalha como empresário de jogadores.

11. Juliano Belletti – auxiliar técnico
Ele começou sua carreira no futebol de salão, mas não foi lá que ele se consagrou. Começando no profissional pelo Cruzeiro, foi pelo time que ele chamou a atenção de Zagallo para atuar como volante pela Seleção Brasileira. Em 2002, ele conquistou o pentacampeonato na Copa do Mundo da Coréia e do Japão, indo em seguida para o futebol espanhol.

O destaque veio com a camisa do Barcelona, onde marcou o gol do título da Final da Ligas dos Campeões e se eternizou no futebol europeu. A pedido do técnico José Mourinho, o ala foi contratado pelo Chelsea, da Inglaterra, e jogou nas vitórias de duas Copas da Inglaterra e uma Liga Inglesa, marcando seu nome em mais um grande clube europeu. Hoje em dia Belletti é treinador de futebol, palestrante e empresário.

12. Anderson Polga – empresário
Dentro das quatro linhas, ela é conhecida como Everton Polga. Anderson Polga cresceu no futebol jogando pelo Grêmio em 1999, onde permaneceu até 2003. Ele começou jogando como volante, mas passou a se destacar quando começou a atuar como zagueiro.

Suas atuações pelo Grêmio o levaram a disputar a Copa do Mundo de 2002 pela Seleção Brasileira. Ele também passou oito anos jogando no clube português Sporting. Após seu período em Portugal, em 2012, ele voltou ao Brasil e entrou para o Corinthians, com uma breve aposentadoria, indo se dedicar ao empreendedorismo.

13. Vampeta – comentarista esportivo
As mais novas gerações talvez não saibam o motivo do apelido de um famoso jogador brasileiro. Seu nome é Marcos André Batista dos Santos e o apelido “Vampeta” vem da junção de “vampiro” – por causa dos seus dentes – com “capeta”, diz-se que pela feição do jogador.

No Brasil, jogou pelo Flamengo, Corinthians, Vitória, dentre outros. Internacionalmente, alguns dos times que atuou foram o Inter de Milão e o Paris Saint-Germain. Vampeta encerrou a sua carreira como jogador pela Juventus (SP) e começou a trabalhar como empresário e treinador. Atualmente, Vampeta é comentarista esportivo.

14. Kléberson – empresário
Kleberson foi considerado um dos nomes mais proeminentes do futebol brasileiro no começo dos anos 2000. O meio-campista surgiu nas categorias de base do Atlético Paranaense e em pouco tempo foi parar no profissional do time. Em 2002 foi destaque da seleção brasileira na Copa do Mundo.

Sua carreira é bastante aclamada, tendo atuado em vários times importantes do mundo como Flamengo e Manchester United. Atualmente, seu foco de dedicação é nos negócios da família onde mora e é empresário de atletas.

15. Raí – dirigente de futebol
O ex-jogador de futebol Raí carrega o título de eterno ídolo do São Paulo, por causa de suas atuações de 1987 a 1993 e de 1998 a 2000. Ele chegou a atuar por um tempo no Paris Saint-Germain, mas optou por voltar ao Brasil. O último gol de Raí como profissional foi em 27 de junho de 2000, diante do Palmeiras, no Palestra Itália

Ao lado do seu companheiro de São Paulo e PSG Leonardo, ele dirige uma entidade filantrópica de ajuda às crianças, a Fundação “Gol de Letra”. Ele também desenvolveu a organização Atletas pela Cidadania, que se dedica a defender causas sociais. Atuava como executivo de futebol do São Paulo desde 2017, tendo deixado o cargo no ano passado.

16. Márcio Santos – treinador
Em 1987, aos 18 anos, ele começou defendendo a zaga do Grêmio Esportivo Novorizontino, clube que defendeu por três temporadas, sendo contratado pelo Internacional em seguida. No Inter, despertou a atenção do Botafogo, sendo vice-campeão do Campeonato Brasileiro de 92. De lá, ele começou carreira internacional, indo jogar no francês Bordeaux, no time de Zidane, e posteriormente no italiano Fiorentina.

Ele se aposentou do futebol aos 36 anos. Atualmente, é dono de um shopping center. Além disso, é formado em treinador de futebol e espera por uma chance na nova carreira, tendo trabalhado como coordenador de futebol do Santos entre outubro de 2020 e janeiro de 2021.

17. Branco – coordenador de futebol da CBF
Cláudio Ibraim Vaz Leal, mais conhecido como Branco, é um treinador e ex-futebolista brasileiro, tendo jogado celebremente como lateral-esquerdo de clubes como Internacional, Fluminense, Brescia, Porto, Genoa, Flamengo e Corinthians.

Branco também foi jogador da Seleção Brasileira, tendo sido um dos heróis da campanha do tetra em 94, ao marcar um gol decisivo nas quartas-de-final contra a Holanda. Ele foi internado em março do ano passado, com quadro pulmonar grave, por causa do coronavírus, saindo da UTI após três semanas depois. Em Julho foi Bi campeão olímpico com a seleção brasileira nas olimpíadas de Tóquio.

18. Palhinha – presidente de clube
Aos 18 anos, Palhinha, de nome Jorge Ferreira da Silva, entrou no seu primeiro “time grande”, o América Mineiro, tendo se destacado na equipe. Em 1992, ele foi emprestado ao São Paulo. Lá, posteriormente como definitivo do clube, ele se consagrou: foi bicampeão da Libertadores, do Mundial Interclubes, no Japão; do Paulistão de 1992, Supercopa da Libertadores, dentre outros.

Ele também já jogou no Cruzeiro, Flamengo, Mallorca, e disputou alguns jogos pela Seleção Brasileira. Iniciou a carreira de treinador em 2007, comandado as categorias de base do São Bernardo e passou por diversos outros clubes. Em 2013 foi para Los Angeles, nos Estados Unidos, comandar a academia de futebol do Corinthians naquele país, ficando até 2018. Em 2019, ele “comprou” um clube, o União de Almeirim da 4ª divisão, em Portugal.

19. Ricardo Gomes – treinador
O técnico e zagueiro Ricardo Gomes é um nome conhecido no futebol nacional, especialmente pela sua função “atual” de treinador de clubes. Antes, contudo, como jogador, ele veio das categorias de base do Fluminense, fez parte das históricas campanhas do tricolor. Ele também atuou com honras no Benfica, de Portugal, e Paris Saint Germain, da França. Ao pendurar as chuteiras, começou a ser treinador.

Como treinador, já dirigiu Paris Saint-Germain, Vitória, Sport, Guarani de Campinas, Coritiba, Juventude, Seleção Brasileira pré-olímpica, Fluminense, Flamengo, Bordeaux e Monaco. Em janeiro do ano passado, ele foi anunciado como novo diretor-executivo de futebol do Atlético-PR, cargo que deixou em fevereiro deste ano, pedindo demissão com a saída de Paulo Autuori do clube.

20. Adriano Imperador – empresário
Adriano Imperador ganhou o coração de diversas torcidas quando atuava como jogador de futebol; hoje, contudo, Didico é um ícone da internet e digital influencer, além de empresário. Sua carreira deu partida nas categorias de base do Flamengo, tendo começado como lateral-esquerdo.

Foi no Internazionale de Milão que ele se consagrou e recebeu o apelido de “imperador” por ser homônimo ao imperador Adrian .Hoje está conversando com a diretoria do Mengão para fazer um jogo de despedida oficial dos gramados em 2022, enquanto conquista as redes sociais.